Logo UFPR

UNIVERSIDADE
FEDERAL DO PARANÁ

Webinários sobre arte e cultura integram programação do evento online da UFPR que começa nesta quarta-feira

Ao todo, são 15 atrações entre apresentações artísticas e webinários, com participação de professores, pesquisadores, estudantes e artistas em dois dias

Entre os dias 29 e 30 de abril, a primeira edição do “Movimento Conexão: Culturas Compartilhadas” oferece programação completa para as tardes de quarentena – clique aqui para conferir. O projeto é uma iniciativa da Agência Escola UFPR em parceria com o Setor de Artes, Comunicação e Design (Sacod) e a Pró-Reitoria de Extensão e Cultura (Proec) da Universidade Federal do Paraná (UFPR). Entre os acordes das lives musicais e as sessões de exibição de videoarte, a programação do primeiro dia também aborda as faces da arte indígena contemporânea.

Professora Ana Elisa de Castro Freitas mostra objeto sensorial que será trabalhado durante o seminário online. Foto: Divulgação

O seminário online “Reflexões sobre arte indígena contemporânea na perspectiva da pesquisa, produção e curadoria” será às 15h30 no Instagram da Agência Escola e recebe a professora Ana Elisa de Castro Freitas, do Setor Litoral da UFPR e o artista indígena Gustavo Caboco. A roda de conversa terá a mediação da diretora do Museu de Arqueologia e Etnologia da UFPR, Laura Perez Gil.

A cada ano, a UFPR promove o “Abril Indígena”, calendário com ações culturais que buscam reverberar a cultura, arte e pensamento dos povos, abordando obras e expressões culturais produzidas por intelectuais e autores contemporâneos. É o caso de Gustavo Caboco, do povo wapichana. O artista independente relata como a arte indígena contemporânea também é um reflexo da memória cultural dos povos. “Não dá pra colocar numa caixinha. É sobre a nossa vida, nossas visões, cosmovisões. Os movimentos de arte, música, dança, literatura colocam o povo indígena e sua rede como protagonista”, conta.

Avessa aos rótulos impostos por visões de arte mais clássicas, a arte indígena contemporânea busca a proximidade com o público, para uma construção conjunta das obras. A professora Ana Elisa reforça que o propósito desta construção é romper com modelos de exposição clássicos, como museus, galerias e outros espaços controlados. “A arte contemporânea é uma poética desviante das rotas da modernidade. Investe nas instalações, nas interações e objetos sensoriais, provocando esse deslocamento do espectador, que reconduz os objetos e circuitos de criação para outros espaços”, explica. A pesquisadora também integra o Programa de Educação Tutorial Litoral Indígena (PET), desenvolvido no Laboratório de Interculturalidade e Diversidade (LaID) do Setor Litoral e que se dedica à formação intelectual de indígenas no ensino superior.

Gustavo Caboco, do povo wapichana, adotou o desenho, o texto, o bordado e a performance como formas de dialogar com as atualidades indígenas. Foto: Arquivo-Divulgação

Desde 1940, o dia 19 de abril é marcado nos países americanos por celebrações que resgatam a memória dos povos ancestrais. Além dos aspectos culturais, o mês de abril é um espaço de fortalecimento das reivindicações indígenas, dos pontos de vista político e social. A voz dos povos ganha volume quando a arte e a cultura se unem para garantir visibilidade. “Nosso povo sempre esteve em crise, desde o momento de invasão deste território que hoje se chama Brasil. Epidemias, violência, genocídios, invisibilidade e destruição do meio ambiente e das expressões artísticas. Nosso papel é continuar propagando nossa história. Não apagarão a nossa memória. Seja de um povo do Paraná ou de Roraima, a arte é capaz de unir nossas histórias”, afirma Caboco.

Sobre o “Movimento Conexão: Culturas Compartilhadas”

Usando a tecnologia como forma de aproximação, o Movimento Conexão é a resposta cultural da UFPR para a pandemia da Covid-19. Com o aumento no número de casos do novo coronavírus, o isolamento social fez com que os canais virtuais também se transformem em canais culturais. Apesar da distância física, as lives dão o tom para um ambiente cultural e acessível para a comunidade.

O artista Gustavo Caboco acredita que o momento é de ação e reflexão coletiva sobre a pandemia, sobretudo nos efeitos causados aos povos indígenas. “Precisamos trazer luz não apenas para as ações da arte indígena, mas para todo o contexto de enfrentamento à pandemia, como os grupos estão respondendo, como estabelecer laços à distância, como ser coletivo em momentos de isolamento”, enfatiza. A importância dos debates culturais, mesmo que à distância, também é reforçada pela professora Ana Elisa. “A sensação que a gente tem quando entra nessa conexão é de não estar só, é de poder ouvir os seus pares e alongar sobre questões que estão à flor da pele”, esclarece.

Arte contribui para humanização e saúde mental, segundo pesquisadoras; UFPR oferece acesso online na quarentena

Saiba tudo sobre as ações da UFPR relacionadas ao coronavírus

Por Luiz Fernando Hanysz
Sob supervisão de Chirlei Kohls
Parceria Superintendência de Comunicação e Marketing (Sucom) e Agência Escola de Comunicação Pública e Divulgação Científica e Cultural da UFPR

Sugestões

Projeto de extensão leva Sessões Culturais para Escolas e Centros de Educação Infantil de Matinhos
O Mundo Mágico da Leitura, programa de extensão da Universidade Federal do Paraná (UFPR) reconhecido...
Núcleo de PD de Energia Autossustentável lança seu mais novo trabalho; saiba mais
O Núcleo de Pesquisa e Desenvolvimento de Energia Autossustentável (NPDEAS) da Universidade Federal do...
Voluntários das Universidades Federais unem esforços em apoio ao Rio Grande do Sul
As Universidades Federais de Minas Gerais, Paraná, Universidade de Uberaba, Instituto Federal do Sul...
UFPR e Neodent realizam juntas a atividade de extensão “Expedição novos sorrisos” 
Em parceria com a Neodent, a Universidade Federal do Paraná (UFPR), por meio do curso de Odontologia,...