Logo UFPR

UNIVERSIDADE
FEDERAL DO PARANÁ

Pesquisadores da UFPR propõem alterações no atendimento hospitalar durante a pandemia

Um grupo de pesquisadores do Departamento de Cirurgia da Universidade Federal do Paraná (UFPR) desenvolve um projeto que avalia a abordagem a pacientes vítimas de traumas no Hospital do Trabalhador (HT), durante a pandemia do novo coronavírus.

O projeto “O efeito Covid-19 na abordagem do paciente traumatizado” tem a participação dos professores Fabio Henrique de Carvalho e Silvania Klug Pimentel; dos residentes de cirurgia geral Matheus Schimidt Evangelista e Rebeca Trevisan Iurkiewiecz; e dos alunos de medicina Gabriel Mondim e Leonardo Kruger.

Silvania explica que os profissionais de saúde são preparados para atender múltiplas vítimas de traumas. Porém, a pandemia mudou a dinâmica de acolhimento no HT, que é referência em trauma e em atendimento à Covid-19. “Nunca fomos treinados para atender vitimas que podem contaminar profissionais de saúde ou serem contaminados por uma doença que pode ser grave e para a qual ainda não há tratamento”, constata a docente. Outros fatores que determinaram as alterações propostas são a sobrecarga do sistema de saúde e o uso mais racional dos recursos públicos.

 

O médico residente Matheus Schmidt e a professora Silvania Pimentel no Hospital do Trabalhador. Foto: arquivo pessoal

 

Novo protocolo

A professora relata que os traumatizados muitas vezes chegam inconscientes. Assim, não conseguem reportar se possuem doenças ou sintomas compatíveis com Covid-19. Para atender adequadamente a essas vítimas, a equipe propôs mudanças no protocolo para proteger a equipe médica. Uma delas é a realização de tomografias de tórax, que permitem visualizar alterações pulmonares indicativas de infecção. Para os que já foram diagnosticados com o coronavírus, existe uma ala isolada dos demais pacientes.

Devido ao isolamento social, a equipe observou uma redução significativa no número de acidentes relacionados à mobilidade envolvendo pedestres, carros, motos e bicicletas. Porém, os casos de violência como agressões, ferimentos por arma branca e arma de fogo, é o mesmo de períodos anteriores à pandemia. “Embora o isolamento social ainda esteja presente, as vítimas de trauma continuam a chegar e precisam receber um atendimento eficaz”, pontua Silvania. Os números oficiais serão divulgados pela equipe do projeto no final do mês de abril.

Trabalho voluntário

A docente destaca o empenho de docentes e alunos, que, mesmo com a interrupção das aulas, continuam envolvidos em projetos de pesquisa e trabalhos voluntários. “A universidade tem responsabilidade de inovar sempre, contribuindo para o desenvolvimento do país e para a solução de problemas que afetam a sociedade na qual ela está inserida”, conclui.

Por Marjorie Kauane Teixeira, com orientação de João Cubas

 

Confira iniciativas e projetos da UFPR no combate ao novo coronavírus

Sugestões

A revista AtoZ: novas práticas em informação e conhecimento passa a integrar o Scimago Journal Rank
A revista AtoZ: novas práticas em informação e conhecimento é o periódico científico interdisciplinar...
Ações de divulgação científica da UFPR são apresentadas em encontro internacional na Espanha
As atividades de divulgação científica da Universidade Federal do Paraná (UFPR) foram apresentadas, esta...
Programa Startup Garage UFPR está com inscrições abertas
A Universidade Federal do Paraná (UFPR) por meio da Superintendência de Parcerias e Inovação (SPIn) em...
Na linha de frente da ação climática, comunidade global prioriza os alertas precoces para todos
Comemorado em 23 de março, o Dia Meteorológico Mundial foi instituído pela Organização das Nações Unidas...