Pesquisadores analisam saúde de tartarugas marinhas

04 julho, 2024
08:16
Por Jéssica Tokarski
Ciência e Tecnologia

Pesquisadores do Programa de Recuperação da Biodiversidade Marinha (Rebimar) da Associação MarBrasil, em parceria com o Laboratório de Ecologia e Conservação da Universidade Federal do Paraná (LEC-UFPR), iniciaram uma nova etapa de monitoramento das Tartarugas-verdes (Chelonia mydas), no litoral paranaense. Com patrocínio da Petrobras e do Governo Federal, o Rebimar realiza o acompanhamento desses animais na região do Complexo Estuarino de Paranaguá, próximo a uma importante área portuária e a ocupações urbanas.

A ação de captura, marcação e soltura das tartarugas ocorre na Ilha das Cobras, uma das áreas com maior concentração desses animais. A equipe faz o cerco das tartarugas, que pode ser tanto no modo “espera”, em áreas onde esses animais se aproximam para se alimentar, quanto em modo de “arrasto”, captura ativa realizada próxima ao costão rochoso. A soltura é feita logo após os exames, no mesmo local da captura.

As tartarugas que costumam chegar ao litoral paranaense, em geral, são juvenis, entre dois e oito anos de idade. A quantidade de animais capturados e avaliados varia bastante em cada ação. Após a captura intencional, a equipe realiza a análise do indivíduo na própria embarcação, chamada de “ambulatório”. São avaliados parâmetros como peso, tamanho, condição corpórea e a presença de tumores. Além disso, são coletadas amostras para análises genéticas, hematológicas e bioquímicas.

Entre as doenças mais comuns nos animais observados está a Fibropapilomatose que forma múltiplos tumores de pele e pode também afetar órgãos internos e a reprodução. “Apesar de a transmissão ser viral, existem indícios de que a formação dos tumores se manifesta nos animais que vivem em áreas poluídas, com várias atividades humanas que causam impacto, como navegação, porto e urbanização não planejada”, afirma Tawane Nunes, oceanógrafa e pesquisadora do Rebimar.

A doença afeta tartarugas marinhas do mundo todo e tem uma relação já comprovada cientificamente com alterações da qualidade ambiental, com despejo de efluentes, falta de oxigenação da água, poluição acústica e contaminação química. Esse conjunto de fatores, segundo os pesquisadores, torna a doença mais frequente e severa entre as tartarugas.

“As tartaturgas-verdes são sentinelas da contaminação por lixo e poluentes. E sabemos que o que chega ao mar e contamina esses animais é um reflexo do que chega aos peixes, à natureza de maneira geral e que vai, obviamente, refletir na saúde humana, dentro do conceito de saúde única do ambiente”, explica Camila Domit, coordenadora da pesquisa do Rebimar e do LEC-UFPR.

Rebimar

O Programa Rebimar é um conjunto de ações socioambientais voltadas para a conservação da região litorânea, principalmente no Paraná e na costa sul de São Paulo. A iniciativa faz parte da Associação MarBrasil, tem patrocínio da Petrobras e conta com apoio científico do Centro de Estudos do Mar da Universidade Federal do Paraná e do Instituto Federal do Paraná.

Este conteúdo inclui pesquisadores da Coalizão Paraná pela Década dos Oceanos, rede de pesquisa oceânica coordenada no Laboratório de Ecologia e Conservação (LEC) da UFPR

Com informações de LEC-UFPR

Sugestões

18 julho, 2024

Cartazes e panfletos resultantes da parceria de projetos de extensão serão apresentados em evento aberto à comunidade nesta sexta-feira (19) no Campus Jardim Botânico, em Curitiba.

18 julho, 2024

Respeitada a disponibilidade orçamentária institucional, a Prograd pode disponibilizar até 500 vagas de monitoria, das quais 100 serão reservadas à modalidade Fluxo Acadêmico.

18 julho, 2024

A Universidade Federal do Paraná (UFPR), através da rede Coalizão Paraná pela Década do Oceano, em parceria com […]

17 julho, 2024

Pesquisadores do C3SL e do VRI vão trabalhar com IA sobre o arquivo histórico da Academia de Ciências de Berlim-Brandemburgo.