Logo UFPR

UNIVERSIDADE
FEDERAL DO PARANÁ

Memória LGBTI+: projeto da UFPR percorre pontos históricos de Curitiba

Manhã de sábado em Curitiba e a rua XV de Novembro, no centro da cidade, usava seus hábitos e costumes em alta potência. Feira de Natal na Praça Osório, artistas de rua davam o tom e a cor, com música, quadros e apelos característicos do espaço. Entre tantas pessoas, um guarda-chuva de arco-íris indicava a novidade daquele 9 de dezembro: o “Percurso LGBTI+” no seu projeto piloto para dar visibilidade à memória que tanto já tentaram “deixar no armário”. É o que destaca a matéria realizada pela Agência Escola da UFPR.

Percurso passou por diversos pontos do centro de Curitiba

Inspirado pelo Linha Preta – trajeto turístico que perpassa a cultura negra de Curitiba – e organizado pelo projeto de extensão “Máquina de Ativismos em Direitos Humanos” e Acervo Bajubá, com apoio do Dignidade, um grupo de 25 pessoas percorreu por mais de duas horas pontos que marcam a história das pessoas LGBTI+.

Para a construção do itinerário, foram realizadas mais de 15 entrevistas com pesquisadores de diferentes áreas – que se relacionam com as pautas de diversidade, memória dos espaços, imprensa, entre outros – e também com pessoas que viveram esses locais, além de levantamentos de documentos e registros de jornais como procedimentos metodológicos da pesquisa, que envolve diversas etapas.

A advogada Taissa Denadai, que faz parte do Máquina, explica que o percurso foi pensado para contar a história LGBTI+ na capital paranaense ao longo das décadas para, assim, pensá-la de outra forma. “A nossa ideia é trabalhar a memória dos nossos corpos, tanto no presente quanto no passado, trazendo a resistência e saindo um pouco dessa questão de só mostrar a parte ruim do que aconteceu. A gente tenta revitalizar essa memória”, explica.

Como conta o professor Leandro Gorsdorf, coordenador do projeto de extensão e professor do curso de Direito da UFPR, em suas pesquisas ele começou a perceber as ausências de outras vozes da cidade e surgiu a ideia de relacionar seus estudos sobre cidade e gênero a partir da memória LGBTI+ nesses espaços. “Chegar aqui é o entrelaçamento de duas áreas de pesquisa que eu venho desenvolvendo na universidade. Uma é o direito à cidade e suas manifestações e comecei a perceber ausências de algumas vozes. Outra é sobre sexualidade e gênero. Na ponta dessas duas pesquisas, eu pensei ‘por que não entrelaçá-las?’ Todas as minhas pesquisas precisam ter uma intervenção ou transformação na realidade”, expõe Leandro.

A concentração aconteceu na Boca Maldita, exatamente onde está a placa em homenagem a Gilda. No local, Leandro explicou a representatividade da travesti que marcou a cidade, abordando quem passava com a frase “uma moeda ou um beijo”, e foi encontrada morta em 1983.

Logo depois, a Praça Osório foi o cenário para reviver os períodos de sexualidade reprimida ou mesmo da própria existência. Um dos pontos foi o “banheirão”, o mictório que existe até hoje. Pelas fotos encontradas pelo grupo, é possível ver que não mudou tanto assim na estrutura.

O famoso “Banheirão”, da Praça Osório, era um ponto de encontro

Alguns passos depois, o que hoje é um “Buffet completo por 10,99” foi local de festas privadas de homens que se vestiam de Carmen Miranda e ganharam uma fama que não desejaram devido à repressão policial e às consequentes matérias na imprensa.

O prédio que antes era famoso pelas festas privadas, que ganharam as capas de jornais

O grupo levou capas das publicações citadas pelo professor José Carlos Fernandes para ilustrar os períodos narrados e materializar as tantas memórias. Uma curiosidade sobre a editora Grafipar é que suas revistas eróticas chegaram a vender 1 milhão de exemplares em pleno período da Ditadura Militar.

Entre cinemas, boates e sauna

As baladas e cenas noturnas da época também renderam cliques e publicações em colunas. Eles fazem parte dos capítulos festivos e subversivos levantados pelo Máquina de Ativismos, que envolvem boates, cinemas, teatros, shows de covers, de transformistas (palavra dita à época), entre tantas outras curiosidades e marcas da vida de pessoas LGBTI+ em Curitiba.

Praça Tiradentes, Clube Operário, Largo da Ordem e o Palácio Avenida foram também lugares cujas histórias foram recontadas. Por fim, em frente ao Teatro Guaíra e na escadaria do Prédio Histórico da UFPR, o grupo fechou o caminho de resgates e reflexões sobre o cenário artístico, tantas vezes palco e acolhimento dessa comunidade.

Naquele mesmo local, em 1995, aconteceu a Marcha Nacional de Luta contra a Aids e de formação da Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Intersexos (ABGLT). Esse ato pode ser considerado uma das bases para o formato das paradas de Orgulho LGBTI+, que acontecem em diversas cidades brasileiras.

Na mesma cidade que guarda processos de apagamento, Gildas e movimentos nasceram, cresceram, reproduziram e estão sendo eternizados. É isso que propõe o Percurso LGBTI+ Curitiba. “É muito interessante participar desse projeto porque eu fui um menino do centro, gay, e que vivenciei as décadas de 80, 90, anos 2000, no centro inteiro. Então, todas essas pessoas e esses espaços que eu vivi, e os que não vivi, transpassam por mim”, conta Leandro Gorsdorf.

Sobre as próximas edições, o professor acrescenta que a ideia é que existam diferentes formatos e duração, de acordo com o público, para que essas histórias possam ser contadas da melhor maneira e atinjam o maior número de pessoas. Outro foco é que essa atividade e a documentação estimulem novas pesquisas sobre o tema nas universidades.

Para acompanhar a matéria completa na página da Agência Escola, acesse: https://agenciaescola.ufpr.br/site/?p=6740.

Por Alice Lima/ Agência Escola UFPR

Sugestões

Nova seleção de Bolsistas - Projeto de Extensão Mapas Culturais: Mapeamento e Gestão Cultural
Estão abertas as inscrições para seleção de bolsistas de graduação e pós-graduação (doutorado) em diferentes...
Projeto de Extensão Saúde nas Ilhas promove atividades em Guaraqueçaba 
Nos dias 08 e 09 de junho o projeto Saúde nas Ilhas, sob coordenação da professora Fernanda Moura D’Almeida...
Estudantes de Publicidade e Propaganda criam curso gratuito e online de Comunicação Visual
Está disponível pela plataforma institucional da Universidade Federal do Paraná (UFPR) Aberta um curso...
UFPR divulga diretrizes para readequação do calendário acadêmico
Tendo em vista o contexto da greve nacional dos servidores técnico-administrativos e servidores docentes,...
pt_BRPortuguese