Logo UFPR

UNIVERSIDADE
FEDERAL DO PARANÁ

Isolamento, falta de leitos e SUS: especialistas debatem saúde coletiva e pandemia na UFPR TV

A urgência do isolamento social para atenuar o colapso no sistema de saúde, refém da escassez de leitos, e a importância de que essa medida seja acompanhada de políticas públicas que não penalizem a população foram temas abordados em um debate sobre saúde coletiva produzido pela UFPR TV. Participaram do programa a médica pediatra infectologista, Cristina Rodrigues,  diretora do campus de Toledo e membro da Comissão de Acompanhamento e Controle de Propagação da COVID-19; a médica endocrinologista com pós doutorado em epidemiologia e medicina preventiva, Camila Maciel, atualmente pesquisadora visitante no Instituto de Engenharia Médica do MIT, nos Estados Unidos; e o médico psiquiatra Deivisson Vianna, doutor em Saúde Coletiva e professor no Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva. 

Os professores concordaram que as medidas de isolamento social têm se mostrado essenciais e imperativas para a contenção da pandemia de Coronavírus, mas, para Vianna, é preciso pensar em mecanismos de auxílio ao trabalhador, que muitas vezes não tem condições de permanecer em casa. “A política de apoio para a população ficar em casa é muito tímida”, destaca. Ele lembra a tradição dos países europeus que investem em bem estar social e estão utilizando de 10% a 15% do PIB para proteger a população economicamente. 

_______________________________________________________________________________________

A gente tem uma tradição de um pais escravocrata. A gente vive num país onde as vidas, quando pobres, têm um significado menor. Isso tem a ver com a história brasileira de pouca valorização da vida.

_______________________________________________________________________________________

 

O debate também tocou em outros pontos sensíveis relacionados à pandemia, como o possível colapso no sistema de saúde ocasionado pela alta demanda por leitos. A professora Camila citou um estudo recente conduzido pela brasileira Marcia Castro, em Harvard, e pontuou que a iminência de um colapso é justamente o que deve enrijecer as medidas de isolamento. O estudo destaca que a velocidade de propagao da doenca e disponibilidade de recursos, somadas à velocidade das medidas implementadas pelo governo, são os fatores que devem determinar o momento em que a escassez de leitos deve acontecer, possivelmente já em meados de abril 

A subnotificação dos casos por conta do baixo volume de testes é outro ponto a ser considerado, na avaliação dos pesquisadores. Para a professora Cristina, a chegada do outono e do inverno pode agravar ainda mais a situação, já que os casos de outras doenças respiratórias devem aumentar e será difícil ter uma dimensão exata da pandemia sem a realização de testes. “Estamos navegando no escuro e até sem bussóla, disse. 

_______________________________________________________________________________________

Se a gente não chegar a uma testagem mais ampla, a gente não vai conseguir chegar em uma boa estratégia.

_______________________________________________________________________________________

A capacidade do Sistema Único de Saúde de enfrentar a pandemia foi enaltecida por Vianna. “Só não estamos pior porque temos o SUS forte, apesar de todos os problemas“. Segundo o professor, o problema de subfinanciamento, acentuado nos últimos sete anos, os cortes orçamentários e a redução na cobertura de atenção primária enfraqueceram o sistema, mas ainda assim ele é essencial. Ele ainda criticou a desregulação do sistema suplementar, constituído pelos planos de saúde. 

As possíveis dificuldades do país com relação a compra de insumos e falta de profissionais para o volume de atendimentos previstos também se destacaram no debate.  Além disso, as questões estruturais, como o baixo investimento em Ciência e Tecnologia,  foram trazidas como pontos a serem lembrados no contexto da pandemia. “Sem pesquisa a gente não consegue observar esse momento. Precisamos mostrar como é importante a presença do pesquisador na comunidade”, salientou Camila. 

_______________________________________________________________________________________

Sem pesquisa a gente não consegue observar esse movimento de incidência e evolução de incidência da doença.

_______________________________________________________________________________________ 

Confira outras iniciativas e projetos da UFPR no combate ao novo coronavírus

 

Esta notícia foi produzido com base em conteúdo da UFPR TV 

Produção, mediação e edição: Rene Lopez

 

Sugestões

A revista AtoZ: novas práticas em informação e conhecimento passa a integrar o Scimago Journal Rank
A revista AtoZ: novas práticas em informação e conhecimento é o periódico científico interdisciplinar...
Ações de divulgação científica da UFPR são apresentadas em encontro internacional na Espanha
As atividades de divulgação científica da Universidade Federal do Paraná (UFPR) foram apresentadas, esta...
Programa Startup Garage UFPR está com inscrições abertas
A Universidade Federal do Paraná (UFPR) por meio da Superintendência de Parcerias e Inovação (SPIn) em...
Na linha de frente da ação climática, comunidade global prioriza os alertas precoces para todos
Comemorado em 23 de março, o Dia Meteorológico Mundial foi instituído pela Organização das Nações Unidas...