Logo UFPR

UNIVERSIDADE
FEDERAL DO PARANÁ

Comissão da UFPR divulga nota técnica sobre evolução da Covid-19

A comissão da UFPR formada para avaliar os desdobramentos da Covid-19 e fundamentar decisões relacionadas à pandemia se reuniu remotamente no dia 24 de novembro para avaliar a situação atual da pandemia de Covid-19 no Paraná. Os principais parâmetros avaliados foram o aumento de casos registrados no mês de novembro e o surgimento da nova subvariante da Ômicron.

Segundo a comissão, neste momento, é recomendado o uso de máscaras faciais em ambientes fechados na universidade para reduzir as chances de contaminação.

Confira a nota na íntegra:

Em 24/11/2022 a Comissão de Acompanhamento e controle de Propagação do Vírus Covid-19 da UFPR reuniu-se remotamente para analisar a situação atual da pandemia da Covid-19 no Brasil e no estado do Paraná.

A Comissão observou que:

O número de casos no Brasil tem apresentado uma trajetória declinante desde o mês de julho até o dia 09 de novembro quando a média diária de casos foi um pouco superior a 2500. Desde então, nas 4 últimas semanas o número de caso aumentou agudamente, chegando a mais uma média diária de mais de 25 mil. Um padrão semelhante foi observado no estado do Paraná. O aumento no número de casos ainda não se reflete no número de mortes, que se encontra estável ou com pequeno aumento.

A demanda por testes para Covid-19 por RT-PCR no serviço de testagem da UFPR subiu rapidamente. Nas duas primeiras semanas de novembro já foram realizados mais testes que em todo mês de outubro e positividade subiu para cerca de 30%.

Novas subvariantes da Ômicron, com destaque para a BQ.1, já foram detectadas no Brasil. Na Europa e Estados Unidos, essa subvariante tornou-se predominante rapidamente e foi relatado que tem a capacidade de evadir o sistema imune. Portanto a vacinação é menos eficiente para impedir infecção, embora ainda seja eficiente como proteção contra doença grave.

Sequenciamento genômico das amostras virais do serviço de testagem da UFPR revelou aparecimento e rápido aumento de prevalência da subvariante BQ.1, indicando que é responsável pelo aumento de casos atual.

Conclusão:

O aumento do número e casos e mortes está relacionada com surgimento da subvariante Ômicron BQ.1 no Brasil. Como essa subvariante tem capacidade aumentada de evasão do sistema imune, é possível que sua disseminação resulte em surto de Covid-19 de maiores proporções.

Tendo em vista esta perspectiva a Comissão considera que o uso de máscaras faciais em ambientes fechados na UFPR, bem como de medidas não farmacológicas, é necessário para reduzir as chances de contaminação de estudantes, docentes e técnicos-administrativos.

Considerando o exposto acima a Comissão:

RECOMENDA a adoção do uso de máscaras faciais em ambientes de longa permanência (salas de aula, por exemplo), grande número de pessoas e baixa ventilação;

RECOMENDA que a UFPR reforce a campanha de conscientização de uso de métodos não farmacológicos, com especial ênfase na importância do uso adequado de máscaras faciais de boa capacidade de filtração (PFF2 ou máscaras cirúrgicas).

 

Sugestões

Nota à Comunidade Acadêmica sobre o fim da greve dos professores
Em assembleia realizada na data de hoje (20/06), convocada pela Associação dos Professores da UFPR (APUFPR),...
Aluna da UFPR vence Congresso Internacional de Educação Médica e Inovação com startup
Entre os dias 08 e 10 de junho, Letícia Farias de Souza, aluna do 11º período do curso de Medicina da...
Professor da UFPR recebe nomeação para o comitê de liberdade sindical da  OIT
Neste último final de semana, no dia 14 de junho, o professor Sandro Lunard da Universidade Federal do...
UFPR divulga diretrizes para readequação do calendário acadêmico
Tendo em vista o contexto da greve nacional dos servidores técnico-administrativos e servidores docentes,...