Imagem Padrão

Aves marinhas retornam à natureza após cuidados no Laboratório de Ecologia e Conservação da UFPR

20 janeiro, 2020
09:03
Por
Ciência e Tecnologia

Um gaivotão (Larus dominicanus) e uma fragata (Fregata magnificens) — também chamada de tesourão — foram reintegrados ao meio ambiente em Pontal do Paraná nesta sexta-feira (17) pelo Laboratório de Ecologia e Conservação (LEC) do Centro de Estudos do Mar (CEM) da UFPR, que executa no Paraná o Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos (PMP-BS). As aves foram resgatadas no litoral paranaense em dezembro.

O resultado da soltura será acompanhado por biólogos e veterinários por meio da anilha que as aves receberam assim que tiveram a saúde restabelecida. “Estamos torcendo para que logo sejam avistadas alçando voos em nosso litoral”, diz a bióloga marinha e pesquisadora Camila Domit, que coordena o LEC.

Gaivota se recuperou aos cuidados dos Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos, coordenado no Paraná pela UFPR em Pontal do Paraná. Fotos: PMP-BS/LEC/Divulgação

As aves marinhas fazem parte do grupo composto por 24% do total de animais resgatados pelo LEC que conseguem ficar saudáveis a ponto de poderem ser reintegrados à natureza. “O percentual pode parecer pequeno, mas considerando o estado de debilitação que animais marinhos encalham, entendemos que é expressivo e mostra um bom resultado”, avalia Camila.

Segundo o LEC, o gaivotão foi encontrado debilitado, em 20 de dezembro, provavelmente devido a intoxicação por toxina botulínica (botulismo), causada por alimento contaminado pela bactéria causadora da doença. “Esta doença possivelmente foi a causa de outros encalhes que registramos”, acredita Camila.

Já a fragata, resgatada em 30 de dezembro, foi encontrada com uma laceração na asa esquerda que a impedia de voar. O tratamento da ave durou até que essa capacidade fosse restabelecida.

A Fragata tinha laceração em uma asa.

Depois de receberem os cuidados médicos, as aves passaram por um período de adaptação em um recinto externo do laboratório, onde voltaram a se alimentar, alçar voos e realizar comportamentos de higienização e arrumação das penas.

Confira o momento da soltura:

Sobre o PMP-BS

O Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos (PMP-BS) é uma atividade desenvolvida para o atendimento de condicionante do licenciamento ambiental federal das atividades da Petrobras de produção e escoamento de petróleo e gás natural no Polo Pré-Sal da Bacia de Santos, conduzido pelo Ibama.

Esse projeto tem como objetivo avaliar os possíveis impactos das atividades de produção e escoamento de petróleo sobre as aves, tartarugas e mamíferos marinhos, através do monitoramento das praias e do atendimento veterinário aos animais vivos e necropsia dos animais encontrados mortos.

O PMP-BS é realizado desde Laguna (SC) até Saquarema (RJ), sendo dividido em 15 trechos. O LEC/UFPR monitora o Trecho 6 (Paraná), compreendido entre os municípios de Guaratuba e Guaraqueçaba.

Quem avistar tartaruga, golfinho ou ave marinha morta ou debilitada no litoral deve entrar em contato com a equipe através do telefone: 0800 642 3341.

(Com informações do PMP-BS)

Leia mais notícias sobre o CEM-UFPR aqui

Sugestões

18 julho, 2024

Cartazes e panfletos resultantes da parceria de projetos de extensão serão apresentados em evento aberto à comunidade nesta sexta-feira (19) no Campus Jardim Botânico, em Curitiba.

18 julho, 2024

Respeitada a disponibilidade orçamentária institucional, a Prograd pode disponibilizar até 500 vagas de monitoria, das quais 100 serão reservadas à modalidade Fluxo Acadêmico.

18 julho, 2024

A Universidade Federal do Paraná (UFPR), através da rede Coalizão Paraná pela Década do Oceano, em parceria com […]

17 julho, 2024

Pesquisadores do C3SL e do VRI vão trabalhar com IA sobre o arquivo histórico da Academia de Ciências de Berlim-Brandemburgo.